sindico terceirizado

Síndico terceirizado ou morador? Descubra as vantagens de cada um!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Índice

De um lado, uma abordagem mais pessoal e próxima da realidade do condomínio. De outra, os benefícios do profissionalismo e da imparcialidade. Afinal de contas, o que é melhor para a gestão condominial – o síndico terceirizado ou o morador?

Independente do caminho escolhido, uma coisa é certa: a responsabilidade (trabalhista, civil, previdenciária, tributária e outras) continua a mesma para ambos os tipos de síndicos.

Para te ajudar a entender melhor as vantagens de cada um desses gestores, compilamos suas principais características e diferenças, além de procedimentos para formalizar a decisão no condomínio e métodos para fazer a transição entre um modelo e outro. Acompanhe!

Síndico Terceirizado: conheça as vantagens

Primeiramente, vale lembrar que o Novo Código Civil legitima a terceirização do síndico, confirmando a possibilidade de escolha de um síndico não condômino no artigo 1.347.

O síndico terceirizado pode ser pessoa física ou jurídica e é especializado na área de condomínios, contando com conhecimento suficiente para representá-los, cumprindo todas as competências do síndico previstas em legislação. Ele pode ser “síndico profissional” ou não.

Em geral, eles estão associados a uma empresa administradora de condomínios.

A contratação desse tipo de síndico pode ser muito vantajosa, especialmente se não há condôminos com interesse de exercer a função.

O cargo, afinal, envolve muitas responsabilidades e demanda tempo e esforços consideráveis – em condomínios maiores e de administração mais complexa, é praticamente impossível conciliar a função com outras atividades.

Como não reside no condomínio, esse gestor não se envolve em “picuinhas” entre moradores e pode assumir uma postura mais distanciada e eficiente. Já que não possui vínculo de morador, esse síndico age com mais rigor e mais fidelidade às regras, independente de quem se trata.

De fato, um grande benefício do síndico terceirizado é não pertencer ao convívio social do condomínio, eliminando o aspecto emocional da resolução de conflitos.

Nesse sentido, esse tipo de gestor tem muito mais impessoalidade para atuar na resolução de problemas com justiça e coerência com a lei. De maneira geral, podemos até mesmo dizer que a comunidade do condomínio respeita mais o síndico terceirizado, o que aumenta também as exigências em relação a ele.

Saiba Mais: 5 erros comuns ao optar pela terceirização de serviços em condomínios

Síndico Morador: conheça as vantagens

E quanto ao síndico morador? Quais benefícios ele oferece?

Nesse caso, o síndico é eleito pela maioria dos condôminos em assembleia, não necessitando de uma formação específica.

A vantagem mais clara e direta do síndico morador é que ele convive diretamente com as questões, condições, necessidades e problemas do condomínio, o que o torna um grande conhecedor da realidade condominial.

Esse gestor terá, portanto, maior presença, maior proximidade e mais contato com os moradores.

Uma outra vantagem é que a eleição desse síndico não traz custos extras além dos já existentes no condomínio. Como se trata de uma figura mais próxima e conhecida dos moradores, a confiança também tende a ser maior, inclusive no que diz respeito à administração de finanças, cadastros, despesas e documentos importantes do condomínio.

Fazendo a melhor escolha

Não existem regras ou orientações claras sobre o que fazer: é preciso analisar a realidade e as demandas de cada condomínio para decidir qual é a melhor alternativa.

Além das vantagens, é claro que é preciso considerar também as desvantagens de cada modelo de síndico. No caso do síndico terceirizado, por exemplo, sua grande desvantagem é aquilo que se torna também um benefício: o fato de não residir no condomínio.

Uma vez que não é um morador, o síndico terceirizado não pode acompanhar de perto o que acontece no dia a dia, podendo ficar alheio a algumas situações importantes.

Por outro lado, esse problema pode ser sanado com a contratação de um ótimo zelador (que deve se manter em contato constante com a gestão), a escolha de uma boa administradora e a visita ao menos semanal do síndico no prédio.

Quando o assunto é o síndico morador, também há desvantagens a se considerar: esse gestor tem muito mais dificuldades em ser imparcial (o que nem sempre implica conivência com as regras) e muitas vezes possui relações desgastadas com os outros moradores. Além disso, esses síndicos frequentemente pecam em conhecimentos técnicos de administração condominial.

Como já dissemos, não há regras pré-estabelecidas: considere as características do seu condomínio e analise fatores importantes como o porte do condomínio, o nível de inadimplência (se a situação estiver muito crítica, comprometendo as finanças, a contratação de uma administradora é aconselhável) e o perfil dos condôminos (eles são abertos ao diálogo? A relação é amistosa?).

De toda forma, ambos os modelos de síndico podem fazer uma gestão bem ou mal-sucedida. Para o sucesso no gerenciamento, independente do tipo de síndico, deve-se apostar em:

  • Projeção financeira com contínuo acompanhamento;
  • Planejamento adequado das ações;
  • Pesquisas periódicas de satisfação dos moradores;
  • Cumprimento de todas as deliberações da assembleia;

Cumprimento rigoroso do Código Civil, do regulamento interno e da convenção de condomínio, sempre mantendo o alinhamento com a legislação.

Quais são os procedimentos para optar pelo síndico terceirizado? E pelo morador?

Para contratar um síndico terceirizado, é preciso convocar uma reunião de condôminos para que então sejam discutidos os pontos positivos e negativos da opção, assim como as possíveis administradoras a serem contratadas.

Vale lembrar que, assim como o síndico morador, o síndico terceirizado também deve ser eleito em assembleia. A ocasião também é uma oportunidade para alinhar as expectativas entre síndico e moradores, evitando problemas advindos da falta de diálogo.

No caso do síndico morador, os debates em assembleia também devem ser convocados para o momento de discutir possíveis candidatos. Uma outra reunião deve ser convocada para a realização da eleição em si.

As assembleias também são o procedimento recomendado caso o condomínio queira passar do modelo de síndico morador para o terceirizado, e vice-versa.

Saiba Mais: Saiba como realizar a eleição de síndico de forma prática e legal

5 dicas para tornar a reunião de condomínio mais eficiente

E então, gostou das informações? Lembramos que, independentemente do modelo de síndico, é preciso muita ciência do que o cargo representa, conhecimento da legislação e responsabilidade para guiar a comunidade condominial.

Esperamos que o conteúdo seja útil. Até a próxima!

Receba conteúdos em seu e-mail