aquisição da propriedade móvel

Aquisição da propriedade móvel: Entenda

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Índice

Nós já sabemos que os gestores de propriedade precisam estar preparados para lidar com o dia a dia na vida condominial.

Antes se falava muito em temas genéricos como inadimplência ou mediação de conflitos, por exemplo. Hoje é fundamental entender de assuntos interdisciplinares, como forma de aquisição da propriedade móvel.

Por esse motivo, elaboramos o conteúdo abaixo para te auxiliar a ter conhecimentos diversos.

1. MODOS DE AQUISIÇÃO DA PROPRIEDADE MÓVEL

Hoje o mercado condominial está cada vez mais competitivo, dessa forma, entender de assuntos interdisciplinares é fundamental.

Aqui no blog já falamos sobre diversos temas, como:

a) Inadimplência condominial e suas particularidades

b) Condomínio em multipropriedade: entenda suas particularidades

c) Perda da propriedade: entenda as hipóteses

Entretanto, vale a pergunta: Já se perguntou como adquirir propriedade móvel.?

E é sobre isso que vamos falar hoje: Modos de aquisição da propriedade móvel.

1.1 Ocupação:

Trata-se de um modo originário de aquisição de propriedade onde se apropria de coisas que não possuem dono pelos motivos abaixo:

a) Nunca foram apropriadas – chamamos de res nullius;

b) Foram abandonadas – res derelictae.

A ocupação está descriminada no artigo 1263 do Código Civil, senão vejamos:

Art. 1.263. Quem se assenhorear de coisa sem dono para logo lhe adquire a propriedade, não sendo essa ocupação defesa por lei.

1.1.1 Como funciona aquisição da propriedade móvel em propriedade Imobiliária?

Em regra, não é possível aquisição de propriedade imobiliária, entretanto, excepcionalmente temos a ocupação pela municipalidade das vias e praças formadas dentro de um loteamento no momento de registro – sem solução de continuidade, conforme Nelson Rosenvald.

1.2 Achado do Tesouro

O achado do tesouro é o depósito antigo de moedas ou coisas preciosas ocultas ou enterradas, onde não se sabe quem é o dono.

Importante (Pontos apontados no Código  Civil):

O depósito antigo de coisas preciosas, oculto e de cujo dono não haja memória, será dividido por igual entre o proprietário do prédio e o que achar o tesouro casualmente.

O tesouro pertencerá por inteiro ao proprietário do prédio, se for achado por ele, ou em pesquisa que ordenou, ou por terceiro não autorizado.

Achando-se em terreno aforado, o tesouro será dividido por igual entre o descobridor e o enfiteuta, ou será deste por inteiro quando ele mesmo seja o descobridor.

1.3 Especificação

A especificação é um modo originário de aquisição da propriedade mobiliária onde se tem a transformação da matéria-prima em outra espécie nova por meio do trabalho do especificador.

Vale lembrar que a espécie nova não poderá retornar ao estado originário.

Aquele que, trabalhando em matéria-prima em parte alheia, obtiver espécie nova, desta será proprietário, se não se puder restituir à forma anterior.

Ocorre que se toda a matéria for alheia, e não se puder reduzir à forma precedente, será do especificador de boa-fé a espécie nova.

Sendo praticável a redução, ou quando impraticável, se a espécie nova se obteve de má-fé, pertencerá ao dono da matéria-prima.

Em qualquer caso, inclusive o da pintura em relação à tela, da escultura, escritura e outro qualquer trabalho gráfico em relação à matéria-prima, a espécie nova será do especificador, se o seu valor exceder consideravelmente o da matéria-prima.

1.4 Confusão, comissão e adjunção

As coisas pertencentes a diversos donos, confundidas, misturadas ou adjuntadas sem o consentimento deles, continuam a pertencer-lhes, sendo possível separá-las sem deterioração.

Não sendo possível a separação das coisas, ou exigindo dispêndio excessivo, subsiste indiviso o todo, cabendo a cada um dos donos quinhão proporcional ao valor da coisa com que entrou para a mistura ou agregado.

Se uma das coisas puder considerar-se principal, o dono sê-lo-á do todo, indenizando os outros.

Se a confusão, comissão ou adjunção se operou de má-fé, à outra parte caberá escolher entre adquirir a propriedade do todo, pagando o que não for seu, abatida a indenização que lhe for devida, ou renunciar ao que lhe pertencer, caso em que será indenizado.

1.5 Usucapião

A usucapião sobre móveis parece-se com a propriedade imobiliária, sendo necessário os pressupostos abaixo, de acordo com o Código Civil:

a) Usucapião Ordinária: Aquele que possuir coisa móvel como sua, contínua e incontestadamente durante três anos, com justo título e boa-fé, adquirir-lhe-á a propriedade.

b) Usucapião Extraordinária: Se a posse da coisa móvel se prolongar por cinco anos, produzirá usucapião, independentemente de título ou boa-fé.

1.6 Tradição

A Tradição é modo derivado de aquisição de propriedade mobiliária e consiste na entrega de bem móvel (Transmitente ao adquirente), com a intenção de se transferir a propriedade.

A propriedade das coisas não se transfere pelos negócios jurídicos antes da tradição.

Subentende-se a tradição quando o transmitente continua a possuir pelo constituto possessório; quando cede ao adquirente o direito à restituição da coisa, que se encontra em poder de terceiro; ou quando o adquirente já está na posse da coisa, por ocasião do negócio jurídico.

Feita por quem não seja proprietário, a tradição não aliena a propriedade, exceto se a coisa, oferecida ao público, em leilão ou estabelecimento comercial, for transferida em circunstâncias tais que, ao adquirente de boa-fé, como a qualquer pessoa, o alienante se afigurar dono.

Se o adquirente estiver de boa-fé e o alienante adquirir depois a propriedade, considera-se realizada a transferência desde o momento em que ocorreu a tradição.

Importante: Não transfere a propriedade a tradição, quando tiver por título um negócio jurídico nulo.

Dica 3: Conhecer a legislação é extremamente importante, por isso vale sempre estudar e procurar novidades sobre a gestão condominial. Por isso, não perca as aulas gratuitas da Group Educa.


Gostou do artigo e deseja saber mais sobre o assunto? Então, saiba mais sobre W.14- O manual de mediação de conflitos para administradores de condomínios

cta padro2Powered by Rock Convert

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Receba conteúdos em seu e-mail