perda-da-propriedade

Perda da propriedade: entenda as hipóteses

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Índice

Muito se fala sobre fala sobre a vida condominial e sobre a propriedade como um todo.

Acontece que pouco se falar sobre a perda da propriedade, apenas de ser um assunto extremamente importante.

Por esse motivo, o conteúdo abaixo visa esclarecer um pouco desse assunto.

Vamos lá?

1. Modos de perda de propriedade

O código civil brasileiro vai nos direcionar sobre a perda de propriedade, estabelecendo tais premissas no Artigo 1275, senão vejamos:

a) Alienação;

b) Renúncia;

c) Abandono;

d) Perecimento da coisa;

e) Desapropriação.

Importante mencionar que perde-se a propriedade de forma voluntária (alienação, renúncia e abandono) ou de forma involuntária (Perecimento da coisa e desapropriação).

Além disso, trata-se de rol exemplificativo, podendo ter ainda outros meios de perda da propriedade, como por exemplo: Usucapião, acessão, arrematação e adjudicação.

Quando falamos em usucapião e acessão logo pensamos que trata-se de um meio de aquisição de propriedade, entretanto, também pode ser uma perda.

1.1 Alienação

A alienação é o negócio jurídico onde o proprietário transfere (gratuita ou onerosamente) a outro o seu direito sobre coisa imóvel ou móvel.

Segundo Nelson Rosenvald:

O termo alienação reserva-se apenas às transmissões voluntárias, provenientes de um negócio jurídico bilateral, incluindo em sua acepção outras contratos

Ponto importante:

a) A alienação requer escritura pública – nos casos em que o valor seja superior a 30 salários mínimos, vejamos:

Art. 108. Não dispondo a lei em contrário, a escritura pública é essencial à validade dos negócios jurídicos que visem à constituição, transferência, modificação ou renúncia de direitos reais sobre imóveis de valor superior a trinta vezes o maior salário mínimo vigente no País.

b) Os efeitos da alienação é subordinado à tradição, para bens móveis como ao registro de título aquisitivo de imóveis, conforme vemos abaixo:

Art. 1.226. Os direitos reais sobre coisas móveis, quando constituídos, ou transmitidos por atos entre vivos, só se adquirem com a tradição.

E ainda:

1227. Os direitos reais sobre imóveis constituídos, ou transmitidos por atos entre vivos, só se adquirem com o registro no Cartório de Registro de Imóveis dos referidos títulos

Observação: Os efeitos da alienação é subordinado à tradição, para bens móveis, exceto se for ( aviões e navios).

1.2 Renúncia

Sobre a renúncia dizemos que trata-se de um negócio jurídico unilateral. Sabe porque?

Aqui o proprietário declara que não quer aquela propriedade. Ou seja: não estamos falando de transferência (como na alienação). Portanto, não se beneficia ninguém.

Importante lembrar que a renúncia é tão grave que precisa ser formalizada por escritura pública – no mesmo formato da alienação.

Segundo Nelson Rosenvald:

A única modalidade de renúncia à propriedade imobiliária que acarreta imediata aquisição patrimonial por novo proprietário é a renúncia à herança.

1.3 Abandono

No abandono o proprietário desfaz da “coisa” simplesmente porque não o quer. Não quer ser seu dono.

Você deve estar se perguntando, mas isso não é na renúncia? Vamos esclarecer.

Lembra que falamos que a renúncia precisa de ter um ato expresso? No abandono isso não acontece. Basta apenas os sinais de abandono e de desprezo para estar configurado.

IMPORTANTE: o imóvel urbano que o proprietário abandonar, com a intenção de não mais o conservar em seu patrimônio, e que se não encontrar na posse de outrem, poderá ser arrecadado, como bem vago, e passar, três anos depois, à propriedade do Município ou à do Distrito Federal, caso se ache nas respectivas circunscrições.

1.4 Perecimento

Trata-de de perda involuntária da propriedade por perecimento material. Rosenvald  diz que:

Para que haja o perecimento, o fato material deve atingir a substancia da coisa de forma completa, ou, então, causar a perda de suas qualidades essenciais ou do seu valor econômico. Por isso, não se confunde perecimento com destruição ou demolição. Não se destrói o imóvel, mas o acessório a ele agregado, que muitas vezes proporciona vantagem econômica ao proprietário.

Para simplificar, o perecimento pode acontecer por força natural ou atividade humana, onde não se existe mais direito- falta o objeto, ou seja: “Não há direito sem objeto“.

1.5 Desapropriação

Por fim, a desapropriação pode ser considerada como uma forma de aquisição e perda da propriedade, que se divide em:

a) Necessidade pública: Havendo questões urgentes de segurança;

b) Interesse Social: Para fins de reforma agrária;

c) Utilidade Pública: Visa satisfazer interesses coletivos.

Vale lembrar que a o processo expropriatório se dar mediante: acordo administrativo ou judicial mediante indenização.

__________________________________________________________________

Gostou do artigo e deseja saber mais sobre o assunto? Então, saiba mais sobre Os 7 pilares para a Gestão de Condomínios

banner ebook 7pilares 1Powered by Rock Convert

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Receba conteúdos em seu e-mail