condominios-leis-e-dados

Condomínios: leis e dados que mudaram na última década, segundo Márcio Rachkorsky

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Índice

Segundo Márcio Rachkorsky, especialista no assunto em administração de condomínios, a estabilidade financeira nesse mercado se deve ao fato dele estar associado a necessidade básica do consumidor de moradia.

Condomínios não costumam fechar os negócios ou apresentar falência, apesar da diminuição, as empresas continuam a construir condomínios, abrindo um leque de possibilidades profissionais dentro dessa área que abrange desde o jardineiro até a administração desses espaços.

O especialista afirma que, até 10 anos atrás, a administração de condomínios estava estagnada e precária. Porém, nos últimos anos a atividade se profissionalizou e se fundamentou em sistemas e tecnologia.

Abaixo estão alguns dados que mostram as mudanças pelas quais essa área passou na última década, indicados por Márcio Rachkorsky.

Dados sobre condomínios na última década

• Há dois anos, a média de proprietários presentes em assembleias nos condomínios era de 17%. A maioria dos condôminos acredita que a única contribuição necessária para o bom funcionamento do condomínio é o pagamento, gerando assim conflitos e problemas na administração. Atualmente, essa média avançou para os 31%, indicando uma mudança na cultura entre os moradores.

• Atualmente, 82% dos condomínios têm uma administradora para sua gestão. Antigamente esse número era de apenas 18%, e o restante, que era a grande maioria, fazia uso da auto-gestão amadora. Isso abria espaço para problemas administrativos e contas obscuras.

Perfil dos síndicos

• Antigamente, segundo Márcio Rachkorsky, a maioria dos síndicos, subsíndicos e conselheiros eram homens, acima dos 60 anos e militares. Porém, nos últimos 5 anos, o número de mulheres no cargo cresceu 73%. É o que aponta um levantamento da Lello, que também indicou que 44% dos síndicos atualmente são mulheres, a maioria abaixo dos 50 anos e com três profissões dominantes entre elas: advocacia, contabilidade e engenharia.

• Em São Paulo, até 2011, 10% dos condomínios possuíam síndicos profissionais, hoje esse número aumentou para 23%. Os dados são de levantamento do portal Sindiconet.

Novas leis de cobrança

• A lei de cobrança dos inadimplentes também mudou. Antes os condomínios eram regidos por uma lei de 1964: a lei de incorporação imobiliária. Nessa lei, a multa para o não pagamento do condomínio era de 20%. Em 2003, foi realizada uma alteração no novo código civil, colocando os juros em apenas 2%. O resultado foi um aumento na inadimplência.

• O novo Código do Processo Civil, em vigor desde março de 2016, transformou a taxa de condomínio em título extrajudicial. Assim, as cobranças ficam mais rápidas e o condômino tem um prazo de 15 dias, após o recebimento do mandato, para realizar o pagamento. Caso contrário, pode ter seus bens penhorados.

• Em janeiro de 2017, o prazo para cobrança de dívidas gerada por taxas de condomínios foi estabelecido em 5 anos, de acordo com decisão do STJ. Com a decisão, todos os tribunais do país de instâncias inferiores devem cumprir com o estabelecido.

Advogado formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), pós-graduado em Direito Contratual pelo CEUNSP, é especialista em condomínios. Palestrante e conferencista, é comentarista do SPTV 1ª edição (Rede Globo São Paulo), no quadro “Meu condomínio tem solução”, apresentado às terças-feiras. Rachkorsky é ainda consultor do quadro “O Conciliador” e membro da equipe “Chame o síndico”, do programa Fantástico. Na Rádio CBN, apresenta o boletim “Condomínio Legal”, na Folha de S. Paulo, escreve quinzenalmente para o Caderno de Imóveis, e é colunista no site SindicoNet. Presidente da Associação dos Síndicos do Estado de São Paulo (Assosíndicos), Rachkorsky é também membro da Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB-SP.

Quer saber mais sobre nosso software de gestão, o Condomínio21? Acesse nosso material técnico ou, se preferir, solicite contato de um de nossos consultores!

Receba conteúdos em seu e-mail