fluxo-de-caixa-da-imobiliaria-2

Fluxo de caixa da imobiliária: 5 práticas para ter sucesso

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Índice

Não há como subestimar as vantagens de um bom fluxo de caixa. Previsibilidade financeira e controle completo sobre as entradas e saídas de dinheiro, afinal, são aliados valiosos da saúde nas contas.

Na prática, a tarefa é um dos maiores desafios não apenas para as imobiliárias, mas para negócios de todos as áreas. Os esforços, porém, valem a pena: além de indispensável para o equilíbrio financeiro, a ferramenta contribui diretamente para a tomada de decisões dos gestores, que têm maior embasamento para cortar gastos, fazer investimentos e ajustar as contas de acordo com o período do ano.

Para te ajudar a fazer um fluxo de caixa de sucesso e alcançar sustentabilidade contábil na sua imobiliária, reunimos 5 boas práticas para a tarefa. Tome nota!

Afinal, o que é fluxo de caixa?

fluxo-de-caixa-da-imobiliaria3

O conceito é simples: de forma geral, o fluxo de caixa é o controle detalhado das entradas e saídas de dinheiro do caixa da imobiliária, considerando um determinado período.

Apesar de simples, é claro que esse controle é absolutamente fundamental: sem ter a noção exata de suas receitas e despesas, um negócio pode operar no prejuízo e nem mesmo se dar conta disso. A lucratividade e, em última análise, a própria sobrevivência de uma empresa dependem de um bom fluxo de caixa.

Para realizar o controle, basta registrar todos as entradas e saídas financeiras (incluindo as previstas). Exemplos de previsões que devem integrar o fluxo são financiamentos, parcelamentos e contas fixas.

No campo das receitas, comissões de venda e também de locação devem ser contabilizadas. Vale lembrar que as locações representam entradas recorrentes de dinheiro e assim devem ser consideradas – fique atento, porém, para registrar apenas os contratos de locação assinados.

Por que fazer um bom fluxo de caixa é um desafio para tantas imobiliárias?

Na prática, fazer o controle do fluxo de caixa parece algo bem simples, certo? Mas então por que tantas imobiliárias (para não citar outros tipos de negócios) enfrentam dificuldades para completar a tarefa de forma organizada?

Vale reforçar, aqui, que as imobiliárias tradicionais são aquelas que mais encontram desafios para o controle – isso porque não possuem todos os dados centralizados em um único ambiente. Esse problema acaba resultando em um processo mais longo, lento e complexo de registro.

Dentre as principais razões para , podemos mencionar:

  • Não fazer o lançamento de finanças futuras (o que inclui receitas, despesas e os contratos de venda e locação);
  • Não ter acesso a todas as informações de vendas e locações de maneira separada e organizada;
  • Não contar com um sistema financeiro integrado que conecte a gestão contábil e os contratos de vendas e locação.

5 boas práticas para o fluxo de caixa da imobiliária

1. Defina a frequência do fluxo de caixa de acordo com sua realidade

O fluxo de caixa pode ser diário, semanal, quinzenal ou mensal. O ideal é que os registros sejam feitos todos os dias, porque assim é possível identificar a melhor data para pagamento de contas e otimizar o tempo dos funcionários do setor financeiro. O controle, afinal, fica mais detalhado.

No entanto, nem sempre haverá movimentações de caixa suficientes para justificar um controle diário. O mais importante é determinar a frequência ideal para sua imobiliária (de acordo com suas movimentações financeiras) e seguir o planejamento à risca, mantendo a consistência nos registros.  

Vale mencionar, porém, que definir um período mais longo para o fluxo de caixa aumenta as chances de perder o controle sobre as informações. Fique atento!

2. Crie classificações para organizar as contas

A criação de categorias facilita e otimiza o controle de gastos e receitas. A próxima boa prática, portanto, é segmentar todas as entradas e saídas de dinheiro em classificações pré-definidas. Quando o assunto são as entradas, possíveis categorias são:

  • Receitas de vendas de imóveis;
  • Receitas de aluguel de imóveis;
  • Receitas provenientes de apartamentos;
  • Receitas provenientes de salas comerciais;
  • Receitas provenientes de casas de praia etc.

Quando falamos em despesas e investimentos (as saídas de dinheiro), algumas classificações são:

  • Despesas com produtos de limpeza;
  • Serviços terceirizados;
  • Material de escritório;
  • Investimento em marketing;
  • Impostos e salários;
  • Comissões.

Essa categorização não apenas facilita a melhor visualização e o entendimento mais rápido dos dados, como também evita falhas no registro e na análise.

3. Faça o cálculo do saldo final dos dias ou semanas

A partir das informações de entrada e saída lançadas no controle da imobiliária, é importante encontrar o saldo final de cada período estabelecido no fluxo (aqui, o ideal é calcular o saldo de cada dia ou semana). Com essa informação, é possível tirar insights financeiros importantes para o planejamento mensal.

Na prática, funciona assim: considerando cada dia ou cada semana, faça a soma de todas as receitas do período e subtraia as saídas.

O resultado permitirá saber quais dias e semanas do mês apresentam mais receita ou mais gastos, o que é um dado bastante valioso para o planejamento e a previsão orçamentária da imobiliária.

4. Realize análises periódicas para fazer previsões e tomar decisões

Uma das principais vantagens de um bom fluxo de caixa é justamente embasar decisões administrativas com dados financeiros sólidos.

Com o preenchimento adequado e consistente do controle, você terá em mãos uma ferramenta valiosa para identificar pontos de lucro e pontos de prejuízo, além de obter uma visão global das contas do negócio.

Portanto, não perca a oportunidade de fazer análises regulares do fluxo, sempre buscando possibilidades de otimização e a tomada de decisões mais estratégicas.

5. A tecnologia como aliada: conte com um sistema integrado para imobiliária

Como já mencionamos, imobiliárias de processos tradicionais tendem a apresentar mais dificuldades quando o assunto é fazer um bom controle do fluxo de caixa.

O uso de planilhas convencionais e o lançamento manual de dados (principalmente quando falamos de um grande volume de movimentações financeiras) estão mais propensos à falha humana, tais como esquecimento, erro de cálculo e confusão entre dados de diferentes categorias.

Além disso, formatos mais antigos de controle de caixa tomam muito mais tempo e esforços da equipe.

Nesse sentido, não hesite em contar com o apoio de um ERP para imobiliária, centralizando as informações importantes em um único sistema e automatizando o registro das movimentações financeiras.

Alguns softwares integrados, como o Imobiliária21, ainda fornecem controle de inadimplência com correção automática e o recurso de criação de gráficos e relatórios para análises completas e simplificadas.

Menos custos, mais produtividade e lançamentos automáticos das operações financeiras: hoje, a etapa tão fundamental do fluxo de caixa pode ser feita de forma rápida, precisa e confiável pelas imobiliárias.

Conheça o Imobiliária21 e leve seu controle financeiro para a era digital!

Receba conteúdos em seu e-mail