airbnb em condomínio

Airbnb em condomínio: boas práticas para orientar os condôminos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Índice

Já abordamos, aqui no blog, a questão polêmica do Airbnb no condomínio e as dúvidas recorrentes sobre o assunto. Apesar da conduta de muitos administradores condominiais, a verdade é que a prática do aluguel por temporada não pode ser proibida, desde que não ultrapasse o prazo de 90 dias.

A possibilidade é corroborada pelo Código Civil, que defende o livre uso da propriedade pelo proprietário e permite alugar o imóvel por até 90 dias sem que isso descaracterize o caráter residencial do local.

Airbnb no condomínio: saia justa para os síndicos?

Essa ausência de legislações que proíbam a nova modalidade de aluguel (vale lembrar que o Airbnb é um grande exemplo de economia colaborativa, sendo uma plataforma online de hospedagem) pode significar, à primeira vista, uma grande saia justa para síndicos e administradoras.

O caminho ideal, nesse cenário, é encontrar um ponto de equilíbrio entre o interesse individual dos moradores que desejam fazer a locação e o bem-estar de toda a comunidade do condomínio.

Para isso, a adoção de boas práticas de convivência pela gestão é fundamental, instituindo restrições e cuidados que podem ser discutidos e aprovados em assembleia.

A seguir, reunimos dicas-chave para garantir tranquilidade para todos ao permitir a prática de Airbnb em condomínio. Vamos lá?

8 boas práticas para a convivência tranquila com o Airbnb em condomínio

1- Promova reuniões condominiais para apresentar e discutir o Airbnb

Acima de tudo, é essencial que toda a comunidade condominial entenda com clareza o que é e como funciona a locação via Airbnb.

Nesse sentido, o síndico ou gestor deve convocar assembleias especiais (ou aproveitar o espaço de assembleias) para discutir a ideia e inclusive ceder um tempo para que o morador que irá utilizar a plataforma fale mais sobre as condições, regras e formas de anunciar sua unidade.

Durante as assembleias, também pode ser interessante trazer estatísticas e informações sobre o alcance do Airbnb no Brasil e no mundo, como por exemplo:

– Há anfitriões da plataforma em 1020 cidades pelo Brasil;

– Existem cerca de 123mil anúncios do Airbnb no país atualmente.

Convide o(s) morador(es) que atuará(ão) no esquema de locação para explicar seu anúncio aos demais condôminos, apresentando o perfil de hóspedes recebidos, as regras impostas para a hospedagem e o modo de lidar com as chegadas e partidas dos mesmos.

Essa estratégia aproxima os demais moradores do locatário via Airbnb, visto que podem esclarecer suas dúvidas diretamente, sugerir regras e restrições aos hóspedes e se sentir mais confortáveis com a prática de locação por temporada no condomínio.

2- Estude e apresente os mecanismos de segurança da plataforma

Sim, o Airbnb possui mecanismos de segurança que devem ser conhecidos pelo síndico e, preferencialmente, ser expostos para os condôminos em assembleia.

Por exemplo: a plataforma possui um sistema de avaliações e oferece perfis detalhados dos potenciais hóspedes para que os moradores decidam quem e como hospedar. É possível, ainda, que os anfitriões cadastrados se comuniquem com qualquer pessoa que deseja alugar o espaço antes de efetivamente confirmar a reserva.

O anfitrião também pode exigir que os futuros hóspedes apresentem cópia de um documento oficial de identidade pela Airbnb, além de poder buscar apoio entrando em contato com a equipe de Atendimento ao Cliente e de Segurança (disponíveis 24hs/dia, 7 dias por semana).

3- Exija que todos os futuros hóspedes forneçam documento de identificação no Airbnb e para a portaria

Essa regra pode ser aprovada em assembleia: para seguirem com a locação via Airbnb, os locatários terão que exigir um documento de identificação oficial dos futuros hóspedes, na própria plataforma e também na portaria física do prédio (o síndico ou zelador pode se encarregar de acompanhar o processo).

Para o potencial hóspede, fornecer essa identificação será pré-requisito para seguir com a locação, aumentando a segurança dos condôminos em relação aos moradores temporários.

4- Instrua o anfitrião a realmente avaliar os futuros hóspedes para evitar problemas

Como já mencionamos, a plataforma do Airbnb conta com uma ferramenta para avaliação dos futuros hóspedes. É fundamental que os locatários, visando assegurar a tranquilidade e o cumprimento das regras do condomínio, realmente estudem o perfil dos possíveis hóspedes, considerando inclusive as avaliações passadas de outros anfitriões.

5- Exija que o locatário forneça a lista de hóspedes e outros dados ao condomínio

Esta é mais uma regra que pode ser instituída por meio de votação em assembleia. O locatário do Airbnb deve fornecer a lista dos futuros hóspedes ao síndico ou gestor para facilitar o controle de acesso na entrada/saída e maximizar a segurança.

Caso os condôminos achem cabível, pode ser discutido também o fornecimento das placas de veículos para o controle do estacionamento. Nesses casos, o anfitrião fica responsável por informar seus hóspedes sobre a norma.

6- Orientar os locatários sobre o limite do número de hóspedes

O síndico também deve orientar os locatários via Airbnb a observar um limite no número de hóspedes na unidade, a depender das características e tamanho do imóvel.

Receber mais hóspedes do que o suportado pela estrutura do imóvel pode perturbar o sossego da comunidade condominial e provocar conflitos e discussões.

7- Instruir o anfitrião a educar seus futuros hóspedes sobre as regras condominiais

Mesmo que de forma temporária, os hóspedes do Airbnb serão moradores do condomínio – portanto, devem se inteirar das regras da Convenção e do Regulamento interno condominial. A responsabilidade de transmitir essas regras, nesse sentido, é do anfitrião.

O papel do síndico é reforçar essa orientação, inclusive na presença de todos na assembleia de condomínio. O anfitrião deve esclarecer sobre regras de entrada e saída no condomínio, horários, funcionamento da portaria, restrição das áreas comuns (se for o caso), a questão do barulho, recebimento de visitas, realização de visitas etc.

Além da comunicação de todas essas normas, é importante que o anfitrião também mantenha as regras e condições sempre atualizadas na plataforma do Airbnb, para a ciência de todos os possíveis hóspedes. Deixar um pequeno “manual” impresso no imóvel também é uma dica bacana.

É aconselhável, ainda, informar telefones de emergência, planos de evacuação do edifício, localização dos extintores de incêndio e saídas de emergência do condomínio.

8- Prime pelo diálogo e pelo bem-estar comum, sempre

Embora alguns condomínios se organizem no sentido de proibir a locação por Airbnb (incluindo a medida nos regulamentos oficiais do condomínio), a medida é polêmica porque não tem sustentação legal.

Proibir o aluguel por temporada (até 90 dias), como vimos, fere o direito dos proprietários usufruírem de suas propriedades livremente. Levar a questão para o âmbito judicial, embora seja legítimo, pode representar gastos extras para todo o condomínio, além de resultar em convivência desgastada.

O mais aconselhável para síndicos e gestores, nesse quadro, é propor o debate do tema de maneira democrática, primando sempre pelo diálogo e pelo bem-estar de todos. Convocar assembleias especiais, discutir regras importantes para a segurança, debater restrições e abrir espaço para a negociação é sempre o caminho mais indicado!

E então, a locação via Airbnb já foi debate na sua gestão de condomínios? Qual é a sua opinião sobre o assunto? Deixe seu comentário e compartilhe com a gente!

Receba conteúdos em seu e-mail