taxa de condomínio

Comissão de corretagem: entenda como funciona essa taxa

A comissão de corretagem é a remuneração dos corretores imobiliários. Neste post, você entenderá como funciona essa taxa.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Índice

Durante o processo de compra e venda de um imóvel, na maioria das vezes existe um intermediário, que pode ser um corretor ou uma empresa. Para pagar por esse serviço, existe a comissão de corretagem, uma taxa que faz parte da negociação.

Existem muitas dúvidas sobre esse tema, por exemplo, quais são as bases legais da cobrança, quem deve pagar e como definir o valor mais justo. Para sanar essas e outras questões, preparamos este conteúdo completo! Boa leitura!

O que é comissão de corretagem?

Os vencimentos de um corretor frequentemente estão relacionados ao seu desempenho. Assim, a comissão de corretagem, como indicamos, é a taxa paga a esses profissionais pela mediação no processo de compra e venda de um imóvel. 

Nesse sentido, vale destacar que o trabalho desses profissionais é regulamentado e exige bastante dedicação. Portanto, o valor pago traz maior segurança a quem vende e a quem compra, além de aliviar alguns problemas com a burocracia. 

Tipos de corretagem

Para entender melhor como funciona esse procedimento, é fundamental saber que existem basicamente dois tipos de corretagem:

  • fixa — é quando se determina um valor fixo para a taxa, independentemente do montante envolvido na negociação;
  • variável — nesse caso, se negocia um valor percentual do total do processo de compra e venda.

O que a lei diz sobre essa taxa?

Uma das principais dúvidas a respeito da comissão de corretagem é sobre a sua validade jurídica. Isso porque, muitos clientes têm a sensação de desconfiança em relação ao pagamento da intermediária e podem se sentir prejudicados. No entanto, esse procedimento tem sim apoio legal.

No Código Civil, o tema é abordado no capítulo 13. Confira as menções a esse respeito que estão presentes na lei:

  • Art. 722. Pelo contrato de corretagem, uma pessoa, não ligada a outra em virtude de mandato, de prestação de serviços ou por qualquer relação de dependência, obriga-se a obter para a segunda um ou mais negócios, conforme as instruções recebidas;
  • Art. 724. A remuneração do corretor, se não estiver fixada em lei, nem ajustada entre as partes, será arbitrada segundo a natureza do negócio e os usos locais;
  • Art. 725. A remuneração é devida ao corretor uma vez que tenha conseguido o resultado previsto no contrato de mediação, ou ainda que este não se efetive em virtude de arrependimento das partes;
  • Art. 726. Iniciado e concluído o negócio diretamente entre as partes, nenhuma remuneração será devida ao corretor; mas se, por escrito, for ajustada a corretagem com exclusividade, terá o corretor direito à remuneração integral, ainda que realizado o negócio sem a sua mediação, salvo se comprovada sua inércia ou ociosidade.
  • Art. 728. Se o negócio se concluir com a intermediação de mais de um corretor, a remuneração será paga a todos em partes iguais, salvo ajuste em contrário.

Assim, podemos ver que a lei resguarda aos corretores o direito de receber pelos seus serviços. Por outro lado, o mesmo capítulo determina que eles devem fazer a mediação com diligência e prudência, informando ao cliente todos os dados que forem pertinentes à negociação. 

Mas, atenção! Também existe uma taxa frequentemente solicitada por Serviço de Assessoria Técnica Imobiliária (SATI), acionada quando o imóvel é adquirido na planta. Enquanto a comissão de corretagem é legítima, a taxa SATI é indevida.

comissão de corretagem

Como funciona o pagamento da comissão de corretagem?

Também é comum haver dúvidas sobre a forma de fazer essa cobrança para que nenhuma das partes envolvidas saia prejudicada. Acompanhe, nas próximas linhas, as questões mais comuns e suas respostas. 

Quem paga por ela?

Primeiramente, é necessário entender onde está a relação de contratação. No caso de um processo de compra e venda, o vendedor do imóvel é quem procura o corretor para fazer a mediação. Portanto, é dele a responsabilidade de pagar pela comissão. 

Apesar disso, existe uma exceção, que é quando essa informação está presente no contrato de forma clara e explícita. Nesse contexto, o documento deve informar ao comprador o valor exato do imóvel e da comissão do corretor.

Como é definido o valor?

A definição do valor a ser cobrado pelo serviço também é uma dúvida comum. Existem vários cálculos envolvidos e a maneira mais segura e justa de fazer a definição é pelo CRECI do seu estado.

A média praticada no mercado é de 6% do valor do imóvel para corretores autônomos e 4% quando forem contratados por alguma empresa. Podem haver bonificações quando o corretor que faz a venda também foi o responsável pela captação do imóvel.

É primordial ter clareza em todo o processo. Portanto, o valor deve ficar explícito entre as partes envolvidas, bem como os serviços que serão prestados pelo corretor. Também é fundamental incluir essa taxa no preço do imóvel para a venda. 

Existe negociação de taxa?

Existe uma liberdade para que os intermediários definam a taxa a ser cobrada, uma vez que a comissão ainda não é tabelada. Por esse motivo, o processo é aberto a negociações.

Para conseguir bons ganhos e manter a justiça durante essa transação, a dica é demonstrar o valor de mercado dos seus serviços e os benefícios que pode proporcionar ao contratante. Do mesmo modo, é fundamental ter ciência dos resultados que pode entregar, para fazer uma precificação coerente.

Como se prevenir de práticas indevidas nesse processo?

A compra e venda de imóveis é bastante complexa e envolve diversas determinações legais. Por isso, é necessário ter muito cuidado para prevenir problemas durante o processo. Similarmente, é comum que os compradores tentem evitar o seu pagamento. Confira algumas dicas para se precaver.

Registre a negociação

Para assegurar que a comissão de corretagem será recebida, é importante registrar todos os contatos que forem intermediados. Isso porque, o mesmo capítulo do código civil que determina as regras para a corretagem assegura que:

Art. 727. Se, por não haver prazo determinado, o dono do negócio dispensar o corretor, e o negócio se realizar posteriormente, como fruto da sua mediação, a corretagem lhe será devida; igual solução se adotará se o negócio se realizar após a decorrência do prazo contratual, mas por efeito dos trabalhos do corretor.

Nesse caso, quando houver desistência da negociação e ela for realizada de outra forma que não seja por intermédio do corretor, ele tem direito a receber a sua parte devida. Para essas situações, a ficha de visitas é um instrumento necessário.

Disponibilize todas as informações

Se por um lado o corretor pode reclamar o seu pagamento quando a negociação for cancelada e realizada em outro meio, por outro é preciso garantir que ele tenha cumprido com todas as suas obrigações. Dessa forma, se a causa da desistência for alguma omissão desse profissional que comprometa os envolvidos, ele perde seu direito de recebimento. Portanto, trabalhe de forma transparente.

Ofereça um excelente atendimento

Por fim, o receio de muitos clientes em relação ao pagamento da comissão de corretagem é a sensação de que aquele valor poderia ser evitado. Nesse sentido, cabe ao corretor prestar um excelente atendimento e demonstrar a necessidade do seu trabalho para a negociação.

Tenha em mente a importância de lidar com as leads para garantir a conversão. A recomendação é conhecer bem o imóvel e a região e oferecer o auxílio completo em todas as necessidades que os clientes demonstrarem. Além disso, acompanhar as tendências do mercado imobiliário é essencial nessa função.

Em conclusão, a comissão de corretagem é o pagamento que os corretores obtêm por seu trabalho e está amparada pela lei. No entanto, os profissionais devem cumprir com todas as suas obrigações para evitar danos ou prejuízos aos clientes. 

Precisando de mais facilidade e economia em sua imobiliária? Descubra como um aplicativo para vistoria de imóveis pode ajudar.

Receba conteúdos em seu e-mail