síndico profissional

Entenda como funciona a rotina de um gerente de condomínio

Ser um gerente de condomínio não está entre as funções mais simples. Neste conteúdo você saberá como é a rotina desse profissional, suas principais atividades e a importância dessa profissão!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Índice

Ser um gerente de condomínio não está entre as funções mais simples. Afinal, esse profissional tem a missão de garantir o bem-estar dos residentes diariamente e estar preparado para lidar com diferentes atribuições administrativas.

Pense bem, um gestor de uma empresa está em uma posição importante, pois precisa garantir que metas de curto, médio e longo prazo sejam alcançadas. 

Agora, e quando essa gestão envolve “cuidar” da casa de alguém? Pois é, fica ainda mais complexo.

Quer saber como é a rotina de um gerente de condomínio, quais são suas principais atividades e a importância dessa profissão? Então continue a leitura deste conteúdo e confira todos esses detalhes!

O que faz um gerente de condomínio?

“Garantir o bem-estar” dos condôminos foi uma definição muito ampla, embora verdadeira. Acontece que o gerente de condomínio tem em seu dia a dia muitas atribuições. As principais delas são:

  • supervisionar a segurança do condomínio;
  • comunicar sobre os direitos e deveres dos condôminos;
  • gerenciar serviços de manutenção interna;
  • fiscalizar a portaria;
  • controlar entrada e saída de pessoas;
  • efetuar compras de itens necessários para o condomínio;
  • administrar as finanças;
  • liderar e instruir funcionários do condomínio;
  • elaborar cartas de avisos, comunicados e advertências;
  • apresentar melhorias para o condomínio;
  • criar relatórios gerenciais.

A lista acima corresponde às responsabilidades padrões de um profissional que atua nesta área. Vale dizer que algumas delas podem ser um pouco diferentes dependendo das necessidades gerenciais de cada condomínio.

Outro ponto importante a ser ressaltado é que o gerente não é um cargo obrigatório dentro do condomínio e costuma ser mais comum em empreendimentos de alto padrão ou com muitos moradores, já que nesses casos há maior movimentação de capital.

Qual a diferença entre gerente de condomínio e zelador?

Essas duas vocações podem até soar parecidas na teoria, mas na prática são bem diferentes.

Bom, o zelador também ajuda na gestão do condomínio, porém ele foca mais na parte operacional e menos burocrática.

É comum ver, por exemplo, esse profissional com uniforme e auxiliando até nos trabalhos “braçais”, como manutenções preventivas e corretivas. Resumindo, é como se ele fosse o coordenador das operações.

Já o gerente de condomínio, ainda que esteja próximo dos zeladores e responsável por garantir que tudo funcione dia após dia, está mais focado na parte administrativa, burocrática e jurídica, conforme listado no título anterior.

Por falar nisso, veja quais são as atividades mais comuns de um zelador de condomínio:

  • auxiliar síndico e gerente de condomínio;
  • distribuir tarefas diárias aos funcionários da faxina e manutenção;
  • supervisionar a manutenção de máquinas, motores, bomba d’água e demais equipamentos e instalações do condomínio;
  • acompanhar técnicos e prestadores de serviços;
  • repassar orientações aos funcionários;
  • fiscalizar corredores, pátios, áreas comuns do condomínio;
  • realizar pequenos reparos ou orientar profissionais capacitados;
  • tirar dúvidas de moradores sobre assuntos pertinentes ao condomínio (manutenção, horários de serviços, coleta de lixo, entre outros).
gerente de condomínio

Quem pode ser um gerente de condomínio?

Para gerenciar um condomínio não é necessário ter faculdade de administração ou algo do gênero, mas existem dois fatores que são fundamentais para ocupar esse cargo.

O primeiro é ter experiência na área. Por ser uma função extremamente prática, profissionais com bagagem costumam ser vistos no mercado como “especiais”, já que tendem a lidar melhor com as situações exigidas.

O segundo é fazer cursos rápidos de especialização. Ok, não é necessário ter um diploma acadêmico, é verdade, mas se preparar é sempre bom e embora não seja um “pré-requisito” para atuar na área, os certificados são vistos com bons olhos pelas empresas.

Qual é o salário para gerente de condomínio?

Quem ocupa essa função recebe em média R$3.500,00 a R$4.000,00 mensais.

Porém, é importante frisar que essa é apenas a base de remuneração do gerente de condomínio, afinal, pontos como tempo de profissão e padrão do empreendimento também refletem no aspecto salarial.

Como é a relação entre o gerente predial e o síndico?

Um síndico profissional tem como principal responsabilidade representar os interesses do condomínio (e seus moradores) em juízo sempre que houver a necessidade.

A partir disso, o grande desafio de ocupar essa cadeira é mediar os conflitos, interesses e ideias dos condôminos ao mesmo tempo em que se faz valer o conjunto de regras e normas do condomínio.

Na prática, o síndico cumpre com as seguintes obrigações:

  • levar adiante os interesses dos moradores;
  • mediar conflitos administrativos;
  • supervisionar gerentes e funcionários;
  • representar o condomínio legalmente;
  • evitar inadimplência de moradores;
  • aprovar compras e contratação de serviços necessários.

“Ok, mas as funções mencionadas acima não são atribuídas ao gerente predial?” É bem parecido, realmente, mas tem lá suas diferenças. Veja melhor abaixo:

A principal diferença entre síndico e gerente condominial

Em empreendimentos “mais simples”, é o síndico quem exerce todo o papel de gestão, porém em condomínios de alto padrão ele deixa de ser o centro e passa a supervisionar o trabalho do gerente de condomínio.

Ou seja, o gerente passa pontos de melhoria ao síndico que pode ou não aprová-los.

Existem cursos profissionalizantes para gerente predial?

A resposta é sim! E indo além, embora não seja “obrigatório” em alguns casos, ter certificações relacionadas à administração de condomínio podem ser um grande diferencial para os profissionais da área.

Isso porque condomínios menores não irão exigir total domínio teórico, mas sim prático. Contudo, edifícios e residências de padrões mais elevados priorizam profissionais que possuem capacitação teórica, prática e certificados em seu nome.

Dito isso, alguns cursos que o gerente de condomínio pode fazer para se destacar no mercado são:

  • curso de síndico profissional;
  • curso de gestão condominial;
  • curso de administração de condomínios;
  • curso de segurança patrimonial;
  • curso de segurança condominial;
  • curso de manutenção predial.

Algo interessante de ser destacado é que geralmente os cursos têm carga horária baixa e podem ser encontrados gratuitamente dependendo da especialização.

Agora que você já sabe tudo sobre essa função e como é importante se preparar, descubra como um software para administradoras de condomínio pode ajudar o gerente a desempenhar um trabalho perfeito!

Receba conteúdos em seu e-mail