Salário de síndico

Salário de síndico: o que é preciso saber sobre o tema?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Índice

A administração condominial requer uma dedicação específica em relação à gestão. Para isso, é necessário que alguém cumpra esse papel e, caso necessário, seja remunerado por isso. É daí que vem o salário de síndico, pois ele tomará para si a responsabilidade de exercer as funções inerentes ao cargo.

Como isso consiste em uma prestação de serviços, é normal que deva existir alguma compensação. Neste artigo, você verá como se estrutura a remuneração desse tipo de atuação. Você saberá que modalidades existem quando do exercício dessa função, além de entender que existem diferentes maneiras de remunerar a atividade sindical.

Ao final, receberá dicas de como fazer uma boa contratação para o caso de escolher pela administração profissional. Confira!

Quais são as modalidades de síndico?

Como você já sabe, nem sempre o síndico é morador do condomínio onde atua. Acompanhe a seguir para entender suas modalidades.

Morador

Esse tipo de síndico é bastante comum e está presente em grande parte dos condomínios de menor porte. Um morador é eleito e fica responsável por exercer as atividades ligadas à função. Uma das possibilidades em relação à sua remuneração é que ele seja isento do pagamento de algumas taxas condominiais.

Profissional

O condomínio pode optar por contratar um profissional para desempenhar a função. Nesse caso, pode ser chamado um profissional liberal ou mesmo uma empresa, normalmente, uma administradora de condomínios. Como a atividade não é regulamentada, não existe um piso salarial estabelecido, ou mesmo exigências de formação e certificação.

Quais são os tipos de salário de síndico?

A atuação do síndico pode ser recompensada de diferentes maneiras. Saiba mais!

Remuneração direta

Esse tipo de recebimento é aquele diretamente relacionado com dinheiro, ou seja, recebe-se o valor em espécie. Existe até um termo oficial para designar a remuneração: chama-se pró-labore de síndico.

É o próprio condomínio que estipula o valor a ser pago e, normalmente, fica em torno de dois a cinco salários mínimos. Fatores como tamanho do condomínio, volume de intervenções e número de visitas influenciam no valor.

Remuneração indireta

Nesse caso, a remuneração não é em espécie, ou seja, não há pagamento direto pelos serviços prestados. Em vez disso, é oferecido um desconto ou mesmo uma isenção na taxa condominial. Vale lembrar que ela não inclui outras taxas, como o pagamento do fundo de reserva.

Qual deve ser o salário de um síndico?

Para que seja definida a remuneração do síndico, devem ser levados em consideração alguns fatores, como o tamanho do condomínio. Quanto maior ele for, maior será a complexidade para administrá-lo.

Além disso, devem ser analisadas as previsões orçamentárias e qual é o montante total destinado às despesas administrativas.

O salário de síndico pode ocorrer de diversas formas. Fatores como o tamanho de condomínio influenciam muito no momento de mensurar esse valor. Pode ser ainda que não exista pagamento direto, sendo feito por meio da compensação da taxa condominial.

Os serviços prestados podem ser exercidos por um morador ou ainda por uma empresa contratada. Nesse caso, deve-se contar com uma boa empresa para realizar a contratação, analisando seu tempo de mercado e contactando com seus clientes, por exemplo, para avaliar se o valor do salário do síndico é compatível.

Gostou do conteúdo? Clique no banner abaixo e fique por dentro também dos “Segredos da previsão orçamentária para condomínios“.

cta padro2Powered by Rock Convert

Receba conteúdos em seu e-mail