Fundo de reserva no condominio

Fundo de reserva no condomínio: como funciona e como deve ser usado?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Índice

Embora não seja obrigatório pelo Código Civil, o fundo de reserva no condomínio é uma prática adotada pela maioria das edificações.

Previsto na antiga Lei nº 4.591 de 1964 (também chamada de “Lei do Condomínio Edilício e Incorporações Imobiliárias”), o fundo, ao ser instituído, deve constar na convenção de condomínio do edifício, no regimento interno ou ser aprovado em assembleia.

Para esclarecer as principais dúvidas relacionadas a esse tema de tanta importância no Direito Condominial, elaboramos o artigo de hoje. Acompanhe para saber mais!

Afinal, o que é o fundo de reserva no condomínio?

Em poucas palavras, o fundo de reserva condominial é uma das maneiras mais utilizadas e tradicionais de arrecadação extra.

Geralmente, a convenção estabelece qual é o percentual da taxa de condomínio que deve ser direcionado a essa reserva.

É importante acrescentar que o fundo de reserva tem o objetivo de atender às necessidades que fogem à normalidade das contas do condomínio, despesas emergenciais, imprevistos e obrigações urgentes em geral. É comum que eles também sejam destinados a grandes reformas futuras, por exemplo.

Nesse sentido, o fundo é uma maneira eficiente de separar uma parcela de dinheiro das arrecadações do condomínio, correspondendo a cerca de 5% a 10% da taxa condominial.

O propósito dessa reserva, assim, é assegurar o bom funcionamento e a continuidade do condomínio mesmo no caso de gastos repentinos e emergenciais, que não podem ser adiados.

Vale destacar que, na grande maioria das vezes, os fundos de reserva são arrecadações de médio e longo prazo, o que significa poupar valores consideráveis de reserva.

O fundo de reserva é a única forma de fundo nos condomínios?

Não! O fundo de reserva é o mais comum, mas diversos outros tipos de fundos podem ser criados no condomínio –  o mais importante é que haja transparência no processo, explicitando todos os pontos para a comunidade condominial.

Dessa forma, é imprescindível que os condôminos estejam cientes do valor a ser levantado, da duração da arrecadação e, principalmente, do objetivo a ser alcançado com o fundo.

Outros exemplos de fundos condominiais são:

  • Fundo de equipagem (aplicado principalmente em condomínios novos, o fundo de equipagem é direcionado para a compra de equipamentos como lixeiras, tapetes, acolchoados para elevadores e mobiliário para piscina, dentre outros);
  • Rateios extras (geralmente são realizados devido à ocorrência de um grande imprevisto, como uma ação judicial contra o condomínio, ou ainda para a preparação de períodos de maiores gastos, como o final do ano – em que há pagamentos extras aos funcionários. Essa forma de arrecadação pode ser impopular na gestão, visto que costuma ocasionar inadimplência);
  • Fundo de obras (é utilizado para a realização de reformas e melhorias na infraestrutura do edifício).

Inquilino ou proprietário: quem paga o fundo de reserva do condomínio?

Eis uma das dúvidas mais comuns quando o assunto é o famoso fundo de reserva. Afinal, quem deve arcar com esse gasto – dono ou morador?

Pois bem, quem deve pagar é o locador ou proprietário.

Essa determinação é estabelecida pelo artigo 22 da Lei do Inquilinato (8.245/91), que atesta que o locador é o responsável por arcar com as despesas extraordinárias.

Por “despesas extraordinárias”, a legislação entende que se trata daquelas “que não se refiram aos gastos rotineiros de manutenção do edifício, especialmente:

  • a) obras de reformas ou acréscimos que interessem à estrutura integral do imóvel;
  • b) pintura das fachadas, empenas, poços de aeração e iluminação, bem como das esquadrias externas;
  • c) obras destinadas a repor as condições de habitabilidade do edifício;
  • d) indenizações trabalhistas e previdenciárias pela dispensa de empregados, ocorridas em data anterior ao início da locação;
  • e) instalação de equipamento de segurança e de incêndio, de telefonia, de intercomunicação, de esporte e de lazer;
  • f) despesas de decoração e paisagismo nas partes de uso comum;
  • g) constituição de fundo de reserva.”

Nesse cenário, vale a pena acrescentar que o inquilino deve arcar somente com as despesas condominiais ordinárias, tais como luz, água e o pagamento de funcionários.

Saiba Mais: Lei do Inquilinato: 6 coisas que você precisa saber na gestão condominial

Como criar um fundo de reserva no condomínio?

Como já mencionamos neste artigo, antes de tudo é necessário que o fundo de reserva conste na convenção de condomínio, no regimento interno ou seja criado por meio de deliberação em assembleia.

No momento da criação do fundo, é essencial também definir em quais casos o fundo em questão poderá ser aplicado, além da pessoa responsável por autorizar essa movimentação financeira.

Para o caso de um fundo destinado a melhorias de infraestrutura (ou consertos) do condomínio, uma dica valiosa é fazer um orçamento da obra com ao menos 3 empresas antes de convocar a votação para criar um novo fundo.

Para fazer uma nova arrecadação, o síndico só precisa de maioria simples na votação para aprovar o processo.

Como o fundo de reserva deve ser utilizado?

Em primeiro lugar, é importante ressaltar que o fundo de reserva passa a fazer parte do patrimônio do condomínio. Com sua destinação determinada em convenção ou regimento, ele não poderá ser distribuído entre os condôminos e nem restituído (sob nenhuma hipótese, mesmo que proporcionalmente).

Como já vimos, os possíveis usos do fundo devem ser expostos nos documentos condominiais –  caso a informação não esteja devidamente esclarecida, vale a pena discutir o tópico nas próximas assembleias.

Embora a destinação do fundo deva constar na convenção ou no regimento, nada impede que o síndico ou administradora utilize o valor para sanar uma emergência distinta (como elevadores queimados, por exemplo).

Embora utilizar os recursos do fundo para sanar outros problemas possa incomodar alguns condôminos, é possível tomar a atitude de maneira idônea e transparente. Nesses casos, é importante fazer uma votação em assembleia para aprovar o uso do fundo.

Posteriormente, deve-se repor o uso total ou parcial do fundo, deixando todo o processo claro e transparente para os condôminos, além de ratificar a ação em ata nas próximas reuniões.

Se criado e administrado de forma íntegra, transparente e eficiente, o fundo de reserva no condomínio é uma excelente ferramenta para garantir a estabilidade financeira da gestão, visto que o recurso evita que o condomínio tenha que transferir um saldo negativo para o próximo mês ou precise contrair algum empréstimo.

E então, gostou do conteúdo? Esperamos que as informações sejam úteis na sua administração. Continue a acompanhar o blog para mais novidades e comente para nos contar sua opinião sobre o assunto!

 

Receba conteúdos em seu e-mail